Biblioteca Mãe Preta

Parte do projeto expositivo é criar zonas de interação com atividades educativas nos locais de exposição.

Em 2016, a biblioteca do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos no Rio de Janeiro, que fica junto á galeria e ao memorial dentro da mesma casa, abrigou a Mini-biblioteca Mãe Preta – um espaço temporário que abre uma seção dentro da biblioteca do instituto para narrativas do protagonismo negro feminino e para a produção literária e acadêmica de autoras negras. O objetivo é também dar acesso a títulos de literatura infantil com protagonistas negras dentro deste espaço especificamente dedicado aos estudos sobre a escravidão e sobre a temática negra em geral dentro do contexto de estudos da memória, que é o objetivo do núcleo de estudos do instituto. 

Além dos livros, recebidos através de doações, para enaltecer a trajetória histórica da mulher negra no Brasil, criamos uma obra permanente no espaço da biblioteca do IPN com um conjunto de 16 retratos de heroínas negras no país desde o século 17 até hoje. Como essa lista vai muito além de apenas 16 pessoas, o visitante tem a possibilidade de inscrever as suas próprias heroínas negras para que sejam lembradas dentro do contexto do memorial.

Na exposição na Funarte São Paulo em 2018, o projeto inclui uma mesa circular no centro do espaço com diversos títulos doados por diversas editoras, que também funciona como uma roda de conversa durante eventos. Em São Paulo, o espaço é de acesso gratuito e está aberto à consulta local. A mini-biblioteca também recebe doações durante o período da exposição.

A biblioteca viaja para o Espaço Chão, em São Luís, para a última etapa da exposição em dezembro de 2018, em que será criado igualmente um espaço de acesso a estes títulos. No final do projeto, a biblioteca será doada integralmente a uma comunidade quilombola local, parceira da exposição.